Quarta-feira, 28 de Março de 2007

Frida Khalo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comemora.se este ano, algures pelo universo o centenário de Frida Khalo (1907-1954)

  

A pintora nasceu na Cidade do México, Sofreu um acidente de viação aos 16 anos que acabou por marcar toda a sua vida e a sua cosmovisão. Em 1929 casou com Diego Rivera

Adaptou à sua obra temas do folclore do México adicionando,lhe elementos fantásticos, e objectos aparentemente incongruentes, onde mostra uma clara e permanente confrontação com o mundo exterior que a rodeia e tortura, pelo que ficou relacionada com o movimento surrealista. Na sua obra, em geral, há uma grande reflexão sobre a dor física e espiritual. 

 

 

 

.

 

publicado por Carpinteira às 22:00
link do post | favorito
|
Terça-feira, 27 de Março de 2007

Microficção - Afectos

 

 

Eram cada vez mais raros os instantes em que não estivessemos juntas, Alzira sentou.se perto da janela, cabisbaixa, sem fazer qualquer comentário à minha conversa

Aproximei.me e toquei.lhe na face

“Então amiga, o gato comeu.te a língua”

Ergueu a cabeça e pousou o queixo no meu ombro, Os olhos lânguidos gotejavam pequenas lágrimas. Continuava calada, mas eu sentia o coração dela saltitar, como se quisesse sair-lhe da blusa, Apertou o corpo contra o meu, e ficou ali, imóvel, a suspirar, sem dizer nada, como se um vínculo nos unisse desde sempre e nos tornasse cada vez mais dependentes

Por vezes incomodava.me o olhar furtivo, mas subtil com que observava o meu corpo enquanto me despia, Habituei.me, e comecei a achar natural a forma como nos encontrávamos no olhar, Os dedos e as pernas entrecruzados por debaixo da roupa, As vozes acariciando.se baixinho, enquanto construíamos puzzles desenhados por mim, e que ela recortava numa caixa de cartão canelado

Houve uma altura em que pensei tratar.se d’uma fantasia de adolescente,  curiosa, em busca d’uma aventura íntima com uma pessoa do mesmo sexo

publicado por Carpinteira às 21:15
link do post | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Março de 2007

Walt Whitman

 

Quadro de Almada Negreiros

 

Walt whitman poeta Norte.Americano cuja obra afirma claramente a importância e a unicidade de todos os seres humanos. A sua ruptura com a poética tradicional, tanto no plano do conteúdo como no do estilo, traçou um rumo, seguido pelas posteriores gerações de poetas, entre os quais se destaca o nosso Fernando Pessoa

 

Witman morreu no dia 26 de Março de 1892 e escreveu entre tantas coisas, o texto que se segue

 

 

“Não deixes que termine o día sem teres crescido um pouco sem teres sido feliz, sem teres aumentado os teus sonhos. Não te deixes vencer pelo desalento. Não permitas que alguém retire o direito de te expressares, que é quase um dever. Não abandones as ânsias de fazer da tua vida algo extraordinário. Não deixes de acreditar que as palavras e a poesía podem mudar o mundo. Aconteça o que acontecer a nossa essência ficará intacta. Somos seres cheios de paixão. A vida é deserto e oásis. Derruba-nos, ensina-nos, converte-nos em protagonistas de nossa própria história. Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua: tu podes tocar uma estrofe. Não deixes nunca de sonhar, porque os sonhos tornam o homem livre.”  Walt Whitman

 

tags:
publicado por Carpinteira às 20:52
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Março de 2007

A garotada

 

 

[paulo-portas.JPG] 

Acoplados nesse equivoco da direita portuguesa que é Paulo Portas, os betos vomitaram uma argumentação prenhe de vacuidades para justificar o desvario mental que protagonizaram naquela reunião, Depois do que se passou naquele fim.de.semana, o CDS. PP deixou de ser um partido e passou a ser um bando de canalha malcriada com tiques salazarentos, em que o vazio é a matéria prima que melhor os define, Faz.se tarde para o convivio com as regras da democracia

 

 

tags:
publicado por Carpinteira às 20:37
link do post | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Março de 2007

O Dia Mundial da Poesia

 

Dia 21 de Março comemora.se o Dia Mundial da Poesia, e porque nesse dia a rede vai ficar infectada com lamechices, faço já hoje o trabalho de casa com um poema lindo do nosso Eugénio de Andrade, ao jeito de dois em um, uma vez que pode ficar já de reserva para o dia da Mãe 

 

Poema à Mãe

No mais fundo de ti,
eu sei que traí, mãe.
Tudo porque já não sou
o menino adormecido
no fundo dos teus olhos.
Tudo porque tu ignoras
que há leitos onde o frio não se demora
e noites rumorosas de águas matinais.
Por isso, às vezes, as palavras que te digo
são duras, mãe,
e o nosso amor é infeliz.
Tudo porque perdi as rosas brancas
que apertava junto ao coração
no retrato da moldura.
Se soubesses como ainda amo as rosas,
talvez não enchesses as horas de pesadelos.
Mas tu esqueceste muita coisa;
esqueceste que as minhas pernas cresceram,
que todo o meu corpo cresceu,
e até o meu coração
ficou enorme, mãe!
Olha - queres ouvir-me? -
às vezes ainda sou o menino
que adormeceu nos teus olhos;
ainda aperto contra o coração
rosas tão brancas
como as que tens na moldura;
ainda oiço a tua voz:
Era uma vez uma princesa
no meio de um laranjal...
Mas - tu sabes - a noite é enorme,
e todo o meu corpo cresceu.
Eu saí da moldura,
dei às aves os meus olhos a beber.
Não me esqueci de nada, mãe.
Guardo a tua voz dentro de mim.
E deixo-te as rosas.
Boa noite. Eu vou com as aves.

in "Os Amantes Sem Dinheiro" (1950) Eugénio de Andrade

tags:
publicado por Carpinteira às 20:26
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Março de 2007

Microficção - Passeio no parque

 

Go to fullsize image

Era um Domingo de primavera, Mariana convidou.me para um passeio no parque, onde soprava uma ligeira brisa que a espaços descobria o sol

O lago tinha perdido a transparência, e os cisnes entoavam cânticos fúnebres enquanto deslizavam na superfície verde, Alguns acostavam nas bermas, reclamando restos de comida aos velhos espalhados pelos bancos

Transístores aos berros debitavam a lenga.lenga do futebol, Portugal jogava com a Republica Checa e perdia por um a zero, No passadiço, uma mulher brincava com uma menina vestida de branco enfeitada com balões azuis, Solta.se um balão e vem cair junto de nós, mergulhei na relva como se tivesse efectuado uma grande defesa e segurei.o entre as mãos, A menina de branco vestida corria para mim impulsionada para o ar como se fosse levantar voo, Quando me aprontei a entregar.lhe o balão, fixou o olhar no meu, em silêncio, Senti na expressão dela, uma repulsa que desaprovava o meu gesto. Bruscamente, retirou.me o balão e rebentou.o

Do outro lado do lago a senhora chamava por ela aos gritos: ”Teresa, Teresa  Não te afastes”

Mariana olhou para mim com espanto e continuou a tagarelice pelo passado nostálgico, Eu fingia que a ouvia. Ela de vez em quando beliscava.me o braço e interpelava.me crispada

“Estás a ouvir.me, Estou para aqui a falar há tanto tempo, e tu não dizes nada.“

 

 

publicado por Carpinteira às 20:54
link do post | favorito
|
Terça-feira, 13 de Março de 2007

abstraccionismo

 

Ao Passar o olhar pela história da arte, chamou.me a atenção o abstraccionismo de Kandinski e Klee, Tirei algumas notas sobre o pintor, a propósito de uma exposição sua em Bilbao 

Wassily Kandinsky

Kandinsky, pintor russo (1866 –1944) inventa um novo mundo de formas e o que dilui é o motivo, mas devemos recordar que Kandinsky é um dos precursores da abstracção, da qual ainda vivemos hoje em dia,. O abstraccionismo, vai ao encontro da ideia de imaterialidade das coisas, a emoção da pureza das cores, todos eles conceitos que nutrem a nossa percepção artística actual

Kandinsky, inventa un sistema de signos autónomo,  não figurativos, como reflexo da sua voz interior, que se nutre, entre outras coisas, de música, e de um sentimento metafísico, Picasso e Miró, pelo contrário, abstraem.se da realidade, mas acreditam nela firmemente

 

publicado por Carpinteira às 20:52
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Março de 2007

Dia da Mulher - um poema

 

Mulher Nua

Mulher andando nua pela casa
envolve a gente de tamanha paz.
Não é nudez datada, provocante.
É um andar vestida de nudez,
inocência de irmã e copo d'água.
O corpo nem sequer é percebido
pelo ritmo que o leva.
Transitam curvas em estado de pureza,
dando este nome à vida: castidade.
Pêlos que fascinavam não perturbam.
Seios, nádegas (tácito armistício)
repousam de guerra. Também eu repouso
.

 


in "O Amor Natural" , Carlos Drummond de Andrade
Ilustração de Milton DaCosta

tags:
publicado por Carpinteira às 16:54
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Março de 2007

Goldra

 

Este espaço onde regularmente publicamos os Contos da Goldra ficou hoje de luto, porque o leito que a nomeia foi mais uma vez conspurcado pela mão nefasta de indústrias poluidoras, Como senão bastassem as viagens de pneumáticos e o colorido dos tingimentos, agora resolveram adorná.la com uma espuma criminosa  que a vai sufocando lentamente, Trata.se dum crime ambiental recorrente, que não tem merecido por parte dos poderes públicos a devida atenção, Não há muito mais para dizer, nem há desculpas para crimes destes (Que se cumpra a lei)

 *Imagem retirada do jornal diário xxi

 

 

 

tags:
publicado por Carpinteira às 20:12
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Mudança provisória

. Poema de aniversário

. Medo

. Urbe eclesiástica

. Desencontros

. Avaliação de desempenho

. Guernica 26 de Abril de 1...

. Dia do livro

. Regresso

. A bicicleta

.arquivos

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds